Moradora de Lagoa do Carro, Maria do Carmo tem seu trabalho dignificado por ação do Governo
Qui, 18 de Novembro de 2021 15:30

 

Legenda: Secretária Executiva Adriana Queiroz, catadora de recicláveis Maria do Carmo, e secretário estadual Alberes Lopes (da esq para dir)

Por Laura Martiniano

 

 

_Maria é catadora de resíduos sólidos e uma das beneficiadas do programa Rescate, da Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação de Pernambuco_

 

A precarização do trabalho é uma problemática presente no quadro atual do País, resultado de um processo histórico contínuo, que persiste há muitas décadas. As condições trabalhistas dos catadores de resíduos sólidos, que não detém equipamentos corretos de segurança, encaixam-se nesta situação, em especial, aqueles que possuem as ruas como seu local de ocupação, estando constantemente expostos à sujeira e doenças. O contexto desta profissão entrou no raio de atuação da Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação. Nesta quinta-feira, por exemplo, foi a vez de catadores e catadoras do Bairro de Santo Amaro, no Recife, passarem por qualificação feita pela SETEQ. Mas outros municípios já iniciaram até a entrega de equipamentos de proteção individual.

 

A lagoense do carro Maria do Carmo Clemente tem 51 anos e é uma recicladora desses materiais. Hoje, qualificada e com proteção ampliada, ela se orgulha imensamente da sua trajetória, mas sua jornada foi traçada em torno de muitas lutas, dificuldades e resistências.

 

Maria nem sempre se ocupou como catadora, mas desde cedo, precisou de uma saída para se virar. “Desde os meus 13 anos que eu trabalho. Antes era muito difícil, eu não tinha renda, catava acerola, apanhava limão. A reciclagem para mim foi uma salvação”, conta ela. A oportunidade surgiu quando o marido da trabalhadora sofreu um acidente. Vendo o esposo sem a possibilidade de continuar a profissão, ela se questionou sobre o que fazer. “O benefício dele, depois de se acidentar, ainda não tinha sido concedido. Olhei para um lado e para o outro, pensando numa saída. E aí, um rapaz me ofereceu uma carroça pequenininha, e me perguntou se eu queria entrar no ramo. Eu disse para ele que qualquer trabalho era digno, e comecei”, afirma.

 

Para ela, crescer é importante, mas não é um ato individual. “Quero que meu crescimento não traga benefícios só para mim, quero que ajude também os outros catadores”, diz. Foi por intermédio da rede social Whatsapp, que Maria foi informada sobre uma chance de progredir ainda mais e realizar o seu desejo: uma capacitação do projeto Rescate, idealizada pela Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação, pela Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente, pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e pela RECITEC em parceria com a prefeitura de Lagoa do Carro. “Um sempre comentava com outro sobre essas oportunidades. Meus vizinhos, que também trabalham com isso, passaram para mim, e aí eu fui”, ela relata.

 

Determinada, Maria esteve presente desde o primeiro dia do curso e não faltou nenhuma das aulas. O foco da qualificação era ensinar recicladores a valorizar e vender seus produtos e auxiliá-los no uso de ferramentas. “Eu me sinto realizada. É um sonho que está virando realidade, não só para mim como para todos. Antes eu não sabia realmente o que eram materiais de reciclagem, então eu reciclava só algumas coisas. Com o curso eu aprendi e estou ganhando mais”, ela conta, sobre sua experiência com a capacitação.

 

Um dos objetivos das capacitações do Rescate é colocar os alunos em cooperativas de reciclagem. Lagoa do Carro ainda não possui uma, mas está no processo de criação de sua primeira associação. “Minha expectativa é muito grande. A gente trabalha para atravessadores, que são intermediários. Um quilo de garrafa pet custa um real e sessenta centavos e o atravessador compra por apenas sessenta centavos. Um quilo de cobre é 49 reais, ele vai lá e compra por 25. Então a gente sai perdendo. Com a cooperativa, não tem atravessador. O trabalho vai ser para nós mesmos. Nossa tendência é só crescer”, diz Maria.

 

Maria do Carmo recebeu seu certificado de finalização do curso no último dia 10. O evento contou com a presença do secretário do Trabalho, Emprego e Qualificação de Pernambuco, Alberes Lopes, da secretária executiva da Micro e Pequena Empresa, Adriana Rocha, da prefeita da cidade Judite Maria de Santana Silva e de representantes da Secretaria de Assistência Social, que inscreveram todos os concluintes nos benefícios do auxílio emergencial e de entrega de cestas básicas. A SETEQ entregou, a cada formando, 16 itens de EPIs, equipamento de proteção e segurança para esses catadores continuarem seu trabalho com mais dignidade. Ainda, a prefeitura sorteou uma carroça de coleta seletiva para um dos alunos, com o fim de auxiliar ainda mais sua ocupação. O vencedor foi o reciclador Rafael José da Silva.

 

“Essa capacitação a gente faz para que vocês possam melhorar o serviço, auxiliando a questão ambiental e a geração de renda. Isso é fundamental, principalmente em cidades que não possuem indústrias ou grandes empresas, que geram muitos empregos”, relatou Alberes durante seu discurso no evento. O secretário também pontuou um outro projeto que alcançará Lagoa do Carro: o Ideia, levando um curso de preparação de doces e salgados para o município.