Pernambuco tem mais admissão de mulheres que de homens em 2021
Qui, 10 de Junho de 2021 15:37

Reunião entre o secretário do Trabalho estadual, Alberes Lopes, e a secretária da Mulher Ana Elisa.

foto: Samuel Calado

A pandemia dificultou os avanços na igualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho, mas, aos poucos, há tabus sendo quebrados no Nordeste e em Pernambuco na geração de empregos. De janeiro a abril, o saldo entre contratações e demissões favoreceu o sexo feminino. Na região nordestina, o saldo mostrou um fato que chama a atenção nestes meses, diferentemente do ano passado: 34.636 homens foram admitidos, porém 53.940 mulheres foram contratadas, quase o dobro. Em Pernambuco, neste mesmo período, houve um saldo de 8.220 mulheres admitidas e 3.057 desligamentos de homens.

O número de contratação de mulheres foi maior que o de homens nos estados de Pernambuco, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e Sergipe. Pernambuco ficou em primeiro lugar no ranking, seguido pelo Maranhão (5.585) e Rio Grande do Norte (3.792). No ano passado, em janeiro, fevereiro, março e abril, Pernambuco teve um saldo de mais 14 mil mulheres desligadas, um número bem diferente deste ano, o que mostra avanços nas questões de gênero.

?O resultado é fruto de políticas públicas, da visão diferenciada dentro da iniciativa privada no Estado e da dedicação das mulheres, que se desdobram para assumir a renda de casa para ter mais independência e criar os filhos?, disse o secretário do Trabalho, Emprego e Qualificação, Alberes Lopes.? Pernambuco é referência nos investimentos para políticas de gênero no País?, acrescentou Alberes, lembrando que a titular da secretaria é Ana Elisa Sobreira.

Dos 184 municípios pernambucanos, o saldo na admissão de mulheres foi mais positivo que o de homens em 43. As 10 cidades que geraram mais empregos para o sexo feminino foram, respectivamente, Petrolina (1.408), Olinda (809), Garanhuns (556), São José do Belmonte (284), Ipojuca (258), Lagoa Grande (181), Igarassu (86), Cabo de Santo Agostinho (82), Moreno (64) e Afogados da Ingazeira (58).

Em Pernambuco, as mulheres ocuparam postos nas áreas de serviço administrativo, vendedoras do comércio, técnicas de nível médio, profissionais de ciências, entre elas, profissionais das ciências biológicas, saúde e afins. Em Petrolina, que ficou em primeiro lugar no ranking, elas foram mais absorvidas por trabalhos agropecuários. Em Olinda, foram mais admitidas na área de serviços, enquanto, em Garanhuns, as principais oportunidades abriram para vendedoras e prestadoras de serviços de comércio. Os dados são do Cadastro Geral de Empregos e Desempregados, que analisa apenas os empregos celetistas, intermitentes, e temporários, além de admissões de jovem aprendiz.

 

Veja os 43 municípios que geraram mais empregos para mulheres por ordem alfabética

 

Município Saldo de mulheres contratadas Saldo de homens contratados

 

Abreu e Lima 15 -3

 

Afogados da Ingazeira 58 21

 

Agrestina 11 10

 

Barreiros 43 -167

 

Bezerros 40 5

 

Brejo da Madre de Deus 50 23

 

Cabo 82 -657

 

Cachoeirinha 9 2

 

Caetés 9 7

 

Calçados 2 -3

 

Carnaíba 3 -4

 

Catende 13 -11

 

Dormentes 10 -2

 

Feira nova 8 -64

 

Ferreiros 2 -181

 

Floresta 5 -10

 

Gameleira 3 -1

 

Garanhuns 556 245

 

Igarassu 86 -.1.676

 

Ipojuca 258 -379

 

Itambé 26 -55

 

Itapetim 22 1

 

Jaqueira 23 -64

 

João Alfredo 29 16

 

Jucati 2 -8

 

Jurema 1 -13

 

Lagoa Grande 181 109

 

Moreilândia 1 0

 

Moreno 64 -407

 

Olinda 809 753

 

Orobó 9 8

 

Petrolina 1.408 1.219

 

Quipapá 2 1

 

Riacho das almas 3 -14

 

São José da Coroa Grande 23 20

 

São José do Belmonte 284 40

 

Sertânia 37 -332

 

Toritama 53 52

 

Triunfo 19 8

 

Venturosa 10 9

 

Vitória de Santo Antão 36 -888

 

Xexéu 6 -11